Literatura Errante

Entre ou Cadastre
palavras que encantam, corações que se conectam

ANTEROS | Cap. 23 – Primeira Fuga

Capítulo "Primeira fuga", da série Anteros, de Gabriel Soares

Danilo e Pereira entraram na delegacia rompendo a porta do gabinete da delegada num impulso.

— O que é isso? — Indagou o corregedor, levantando-se da cadeira.

— É o Saldanha. — Bradou Danilo.

— O quê?

— O infiltrado na equipe. Mostra pra ele, Pereira.

Ao olhar a mancha pixelada no braço de Saldanha continuou sem entender.

— Está maluco, rapaz? Entrar acusando um colega de equipe desse jeito…

— Essa marca. É a tatuagem deles. Todos têm. Anteros.

— Ahn?

— Todos que fazem parte desse esquema tem a tatuagem de um deus grego chamado Anteros. Uns caras fichados, o gerente…

— Mas nessa foto não dá pra decifrar nada. Além do mais, só por uma tatuagem uma pessoa não está automaticamente numa quadrilha.

— Vai por mim. Eu aposto que quem acusou a Elisa foi ele.

O corregedor tentou titubear, mas a feição acabou entregando a verdade.

— Sabia! Nem adianta negar.

— Ribeiro, traga o Saldanha pra cá.

Ribeiro seguiu a ordem do corregedor.

— Elisa, vamos colocar esse caso às claras pra poder acabar com ele de vez. — Disse o corregedor.

— Seguinte, temos a morte de um capataz do prefeito que tinha o nome envolvido num contrato suspeito que encontrei nas coisas do meu pai lá em casa. Esse contrato consta o nome do advogado Saulo Peçanha, mas eu conversei com a esposa do capataz e ela afirmou não ter conhecimento de nada e que o marido raramente vinha à cidade. Fomos ao banco e o gerente me entregou extratos falsos da conta do morto e tudo indica que ele estava sendo usado como laranja em um esquema envolvendo o Saulo, o tabelião, que reconheceu a firma do contrato provavelmente de uma assinatura que não é do capataz e, talvez, até o prefeito esteja envolvido.

— Não esqueça do sequestro da sua mãe. — Completou Danilo.

— Porra! Que merda você arranjou.

Nesse momento Ribeiro entrou de volta no gabinete.

— O Saldanha fugiu.

Sobre o Autor:Capixaba natural de Ecoporanga, atualmente residindo em Feira de Santana-BA; estudante de Pedagogia, escreve desde criança. Apaixonado por café, criança, história, arte e cultura brasileira. A Arte de Viver foi sua primeira novela publicada, além da coletânea Contos Oh! Ríveis, de humor, estando presente em coletâneas de contos e poemas do Projeto Apparere e contos disponibilizados na Amazon.

O gênero policial vem sendo seu novo foco na escrita, explorando a temática familiar, um prato cheio para discutir as relações da sociedade e refletir sobre as atitudes passionais.

Gostou? Que tal compartilhar com alguém que também vai gostar?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no tumblr
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Sobre o(a) Autor(a)

gabrielferreirasoared@gmail.com

Publicações Recentes

Aflorismo
cassiopignatari
Poesia

Siga-nos

Assista ao Literatura Errante

0
Seu carrinho ainda está vazio!

Parece que você ainda não adicionou nada ao seu carrinho.

Browse Products
Powered Voltage Emoji by Caddy

Entre ou cadastre-se para fruir plenamente do
LITERATURA ERRANTE.

É grátis!